NOTÍCIAS
01/04/2015

Prêmio Quality Brasil 2015


24/02/2015

Nota de Falecimento

Com grande pesar comunicamos o falecimento do Prof. Albino Bricolo no dia 22/2/2015. O professor Bricolo sempre foi um grande amigo da neurocirurgia brasileira, tendo vindo à inúmeros congressos organizados pelas diferentes sociedades de neurocirurgia. Ele nasceu em Verona, Itália, no dia 14 de fevereiro de 1935 e se formou em medicina em 1959. Foi o chefe do departamento de Neurocirurgia da cidade de Verona, estando sempre disposto a receber visitantes dos mais diversos países. Professor Bricolo tinha um interesse especial por tumores do tronco cerebral, da medula e da base do crânio (meningiomas, schwannomas do vestibular, craniofaringiomas e outros). Publicou centenas de artigos científicos e em 2013 recebeu a “Medalha de Honra da WFNS”. Aqueles que diveram a honra e o prazer de conviver como Prof. Bricolo, sempre encontraram nele uma pessoa gentil, extremamente simpática e sempre disposta a ensinar e apreender novos conhecimentos.


22/01/2015

Nota de Falecimento

Com profundo pesar anuncio a morte de um dos maiores neurocirurgiões e professores do Brasil, Professor Gilberto Guimarães Machado de Almeida que formado pela Universidade de São Paulo chefiou o Serviço de Neurocirurgia do Hospital das clinicas nas decadas de 70 e 80, tendo formado inumeros discipulos na area de neurocirurgia vascular, alem de ter chefiado o Serviço de neurocirurgia do Hospital Nove de Julho, onde tambem formou outros tantos discípulos de renome atual. Notabilizava-se pela extrema habilidade e precisão cirurgia, alem de carater e atitudes exemplares. Fui um de seus ultimos residents no HC, tenho muito orgulho de ter pertencido aquelo time.

A derivação ventriculo peritoneal, a clipagem microcirurgica de aneurismas complexos foram formalmente introduzidas por ele com grande sucesso no Brasil nos anos 70.

Ao Octavio e Renato seus filhos nossos pesames em nome da Academia Brasileira de Neurocirurgia.

Paulo Henrique Pires de Aguiar
President of Brazilian Academy of Neurosurgery
Neurosurgeon Hospital Alemão Oswaldo Cruz, São Paulo Brazil
President of Brazilian Chapter Walter Dandy Neurosurgical Society
Fourth Dean H Echols Lecturer in Neuroscience Tulane University and Ochsner Foundation, New Orleans, Louisiania, USA


18/01/2015

I- Nota de esclerecimento do CFM sobre Orteses e Porteses

_ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS_

CFM divulga nota de esclarecimentos à sociedade

O Conselho Federal de Medicina (CFM) anunciou que já propôs às autoridades competentes - Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e Agência Nacional de Vigilância em Saúde
(Anvisa) - a criação de mecanismos para regular a comercialização de órtoses, próteses e materiais especiais, por meio da fixação de preços para o segmento.

Dentre as vantagens desse mecanismo, destacam-se a maior transparência nas negociações com fornecedores; o aumento do controle do comportamento dos preços no mercado; a oferta de subsídios aos gestores na tomada de decisão; e a redução da possibilidade de lucros abusivos e exorbitantes, os quais abrem brechas para atividades ilícitas.

Este é um dos itens de destaque em nota disponibilizada pela autarquia, que "reitera apoio às investigações para coibir práticas condenadas pela imensa maioria dos 400 mil médicos brasileiros, que, historicamente, têm se posicionado contra a cultura da impunidade - em todos os campos da vida em sociedade - no nosso país evitando danos aos pacientes e prejuízos econômicos".

_NOTA DE ESCLARECIMENTO À SOCIEDADE_

Com relação à denúncia de irregularidades na prescrição de órteses e próteses, o Conselho Federal de Medicina (CFM) esclarece que:

1) De acordo com os artigos 68 e 69, do Código de Ética Médica, é proibido ao médico interação com qualquer segmento da indústria farmacêutica e de outros insumos para a saúde com o intuito de manipular, promover ou comercializar produtos por meio de prescrição;

2) Em 2010, foi aprovada a Resolução CFM nº 1.956, que estabelece normas específicas para a prescrição de órteses, próteses e materiais implantáveis, que, entre outros pontos, veda ao médico exigir fornecedor ou marca comercial exclusivos. As regras valem para as relações dos médicos com instituições públicas, operadoras de planos de saúde e no setor privado;

3) Ao longo dos anos o CFM tem agido com critério e rigor no julgamento de processos ético-profissionais - em grau de recurso - cujo objeto seja denúncia de interação entre o médico e setores das indústrias de medicamentos ou de insumos, como órteses e próteses;

4)- Desde 2004 até novembro de 2014, foram emitidas cerca de 230 penalidades ético-profissionais para casos onde se constatou este tipo de interação entre o médico e setores da indústria e da farmácia.
Deste total, houve 28 cassações, 26 suspensões do exercício profissional e mais de 140 censuras;

5) Como solução para eliminar definitivamente possíveis irregularidades na comercialização das órteses e próteses, o CFM já propôs às autoridades competentes - Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e Agência Nacional de Vigilância em Saúde (Anvisa) - a criação de mecanismos para regular esta prática, por meio da fixação de preços para o segmento (a chamada precificação);

6) Dentre as vantagens desse mecanismo, destacam-se a maior transparência nas negociações com fornecedores; o aumento do controle do comportamento dos preços no mercado; a oferta de subsídios aos gestores na tomada de decisão; e a redução da possibilidade de lucros abusivos e exorbitantes, os quais abrem brechas para atividades ilícitas;

7) Essa sugestão do CFM, já apresentada às autoridades competentes em diferentes oportunidades, ainda aguarda resposta e a tomada de decisão para implementação;

8) Independentemente disso, em 2014, foi apresentado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 7579/14, que se aprovado, altera a Lei nº 10.742, de 6 de outubro de 2003, para dispor sobre a regulamentação econômica do setor de órteses, próteses, produtos para a saúde e incluir na competência da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que já existe dentro da estrutura da Anvisa.

O CFM reitera apoio às investigações para coibir práticas condenadas pela imensa maioria dos 400 mil médicos brasileiros, que, historicamente, têm se posicionado contra a cultura da impunidade - em todos os campos da vida em sociedade - no nosso país evitando danos aos pacientes e prejuízos econômicos.

Brasília, 6 de janeiro de 2015

Conselho Federal de Medicina (CFM)

II- Carta da ABNC

Caros Membros da Academia Brasileira de Neurocirurgia

A Academia Brasileira de Neurocirurgia está alinhada com a Associação Médica Brasileira e todas as sociedades afiliadas quanto ao conteúdo do documento abaixo, que trata do emprego de Próteses e Órteses em medicina, Este documento foi redigido em reunião dos representantes das sociedades médicas co-irmãs de especialidades afiliadas, e a Academia Brasileira de Neurocirurgia como entidade Academica se sente representada pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia , nossa entidade reguladora e normativa de todos os neurocirurgiões, na figura de seu presidente Modesto Cerioni, que ocorreu na sede da AMB em São Paulo, dia 13 de janeiro de 2015.

Atenciosamente

Paulo Henrique Pires de Aguiar
Presidente da Academia Brasileira de Neurocirurgia

Oswaldo Vilela Filho
Vice Presidente da Academia Brasileira de neurocirurgia

Ricardo Ramina
Presidente Eleito da Academia Brasileira de Neurocirurgia

III-AMB - NOTA OPME

A AMB - Associação Médica Brasileira, representando as sociedades de especialidades médicas, com base nas informações apresentadas pela mídia, contendo denúncias graves sobre atitudes antiéticas e criminosas na indicação e utilização de materiais em procedimentos médicos, vem a público informar:

Repudiamos que fatos dessa natureza ocorram em nosso meio e consideramos que tais denúncias devam ser investigadas pelos órgãos competentes com a punição dos culpados dentro do rigor da Lei.

A Classe Médica Brasileira, na sua grande maioria, é constituída por profissionais bem formados, supervisionados e treinados pelas Sociedades Médicas de Especialidades, os quais conduzem suas atividades pautadas no mais rigoroso critério técnico e ético e fundamentadas nas normas de cada Sociedade.

Os médicos brasileiros orientam seu trabalho com base em condutas reconhecidas internacionalmente e contrárias às apresentadas nas reportagens.

As atitudes ilícitas de alguns não podem colocar em descrédito a Classe Médica, cuja atuação prioriza a saúde e a segurança do paciente, fundamentais para o sucesso no tratamento. Temos convicção de que imprensa e sociedade brasileira saberão fazer essa distinção.

A AMB está convocando uma força-tarefa com as entidades públicas e privadas envolvidas neste tema, no sentido de criar e aperfeiçoar mecanismos para coibir de forma rigorosa tais práticas, e continuará trabalhando para proporcionarformação técnica e ética aos médicos brasileiros.

Florentino Cardoso
Presidente da Associação Médica Brasileira


29/10/2014

Jornada Sergipana de Neurocirurgia e Neurologia Pediátrica

Em comemoração alusiva ao mês da criança, aconteceu no dia 17 de outubro a Jornada Sergipana de Neurocirurgia e Neurologia Pediátrica, idealizada pelo Núcleo de Educação Permanente do Hospital de Urgência de Sergipe sob a direção do neurocirurgião Dr. Carlos Umberto Pereira, contou com o apoio do Serviço de Neurocirurgia do Hospital de Urgência de Sergipe, Serviço de Neurocirurgia da FBHC, Capítulo de Enfermagem em Neurocirurgia da Academia Brasileira de Neurocirurgia e Liga de Neurociências da Universidade Federal de Sergipe.

Participaram do evento 162 inscritos entre pediatras, enfermeiros, fisioterapeutas, estudantes de medicina e enfermagem. Os participantes assistiram a palestras proferidas por neurocirurgiões e enfermeiros que se dedicam a neurocirurgia pediátrica.

Foram abordados os seguintes temas:

1. Cranioestenose – Dr. Tiago Cavalcante (SE)
2. Epilepsia na infância - Prof. Dr. Joacir Graciolli Cordeiro (SE)
3. Dificuldades no diagnóstico de tumores cerebrais na infância - Dr. Rilton Marcus Morais (SE)
4. Acidente vascular cerebral hemorrágico na infância - Dr. Rilton Marcus Morais (SE)
5. Bexiga neurogênica - Prof. Dr. Fabio Quintiliano e Lima (SE)
6. O que o pediatra deve saber sobre TCE leve na infância - Prof. Dr. Carlos Umberto Pereira (SE)
7. Dor em neonato - Enf. Msc. Záira Moura P Freitas (SE)
8. A enfermagem e a criança com hidrocefalia - Enf. Dra. Débora Moura da P. Oliveira (SE)
9. Tratamento do abscesso cerebral na infância - Prof. Dr. Carlos U Pereira (SE)

Núcleo de Educação Permanente do Hospital de Urgência de Sergipe em parceria com a presidência do Capítulo de Enfermagem em Neurocirurgia já se programam para os próximos eventos a serem realizados em 2015.

Enfa Dra. Débora Moura da P. Oliveira
Presidente do Capítulo de Enfermagem em Neurocirurgia da ABNc


Voltar para página anterior
hidea.com - agência web
Copyright © ABNc - todos os direitos reservados